Loja ACIP   |   Galeria   |   Estudos   |   Mailing    |   Assinar Revista    |   Registo de Parceiros    |    Área Reservada    |    Login

Dando sequência à renovação do Estado de Emergência por parte do Presidente da República, que entrou em vigor a partir das 00h00 de dia 24 de novembro, o Conselho de Ministros decidiu:

Atualizar a lista de concelhos com risco elevado de contágio e distinguiram-se quatro níveis de gravidade da pandemia:

 

  • Concelhos de Risco Moderado:

1.Aguiar da Beira, 2. Alandroal, 3.Alcoutim, 4. Aljezur, 5. Aljustrel, 6. Almodôvar, 7. Alpiarça, 8. Ater do Chão, 9.Alvaiázere, 10. Alvito, 11. Arraiolos, 12. Avis, 13. Barrancos, 14. Barrancos,15. Beja, 16. Bombarral, 17. Borba, 18. Caldas da Rainha, 19. Carrazeda de Ansiães, 20. Carregal do Sal, 21.  Castanheira de Pêra, 22. Castelo de Vide, 23. Castro Marim, 24. Castro Verde, 25. Ferreira do Alentejo, 26. Ferreira do Zêzere, 27. Figueiró dos Vinhos, 28. Fornos de Algodres, 29. Fronteira, 30. Góis, 31. Golegã, 32. Gouveia. 33. Loulé, 33. Lourinhã, 34. Mação, 35. Marvão, 36. Mértola, 37. Moimenta da Beira, 38. Monchique, 39. Moura, 40. Mourão, 41. Óbidos, 42. Odemira, 43. Olhão, 44. Oliveira do Hospital, 45. Ourique, 46. Pedrógão Grande, 47. Pinhel, 48. Portel, 49. Santa Comba Dão, 50. Santiago do Cacém, 51. São Brás de Alportel, 52. Sernancelhe, 53. Sertã, 54. Silves, 55. Sousel, 55. Tábua, 56. Tabuaço, 57. Tavira, 58.  Vendas Novas, 59. Vidigueira, 60. Vila de Rei, 61. Vila Flor, 62. Vila Real de Santo António, 63. Vila Velha de Ródão, 64. Vouzela.

 

  • Concelhos de Risco Elevado:

1. Albufeira, 2. Alcácer do Sal, 3. Alcobaça, 4. Alcochete, 5. Alenquer, 6. Almeida, 7. Almeirim, 8. Anadia, 9. Ansião, 10. Arronches, 11. Arruda dos Vinhos, 12. Barreiro, 13. Batalha, 14. Benavente, 15. Cadaval,16. Campo Maior, 17. Castelo Branco, 18. Castro Daire, Chamusca, 19. Coimbra, 20. Condeixa-a-Nova, 21. Cuba, 22. Elvas, 23. Entroncamento, 24.Estremoz, 25. Évora, 26. Faro, 27. Gavião, 28. Grândola, 29. Idanha-a-Nova, 30. Lagoa, 31. Lagos, 32. Leiria, 33. Lousã, 34. Mafra, 35. Marinha Grande, 36. Melgaço, 37. Mesão Frio, 38. Mira, 39. Miranda do Douro, 40. Moita, 41. Monção, 42. Monforte, 43. Montalegre, 44. Montemor-o-Novo, 45. Montemor-o-Velho, 46. Montijo, 47. Mortágua, 48. Nelas, 49. Palmela, 50. Paredes de Coura, 51. Penalva do Castelo, 52. Penedono, 53. Peniche, 54. Peso da Régua, 55. Ponte da Barca, 56. Ponte de Sor, 57. Portimão, 58. Porto de Mós, 59. Redondo, 60. Ribeira de Pena, 61. Rio Maior, 62. Salvaterra de Magos, 63. Santarém, 64. São João da Pesqueira, 65. Sardoal, 66. Serpa, 67. Sesimbra, 68. Sobral de Monte Agraço, 69. Soure, 70. Terras de Bouro, 71. Tomar, 72. Tondela, 73. Torres Novas, 74. Torres Vedras, 75. Trancoso, 76. Viana do Alentejo, 77. Viana do Castelo, 78. Vila do Bispo, 79. Vila Nova da Barquinha, 80. Vila Nova de Cerveira, 81. Vila Nova de Poiares, 82. Vila Viçosa, 83. Vimioso, 84. Vinhais, 85. Viseu.

 

  • Concelhos de Risco Muito elevado:

1. Abrantes, 2. Águeda, 3. Albergaria-a-Velha, 4. Alijó, 5. Almada, 6. Amadora, 7. Arcos de Valdevez, 8. Arganil, 9. Armamar, 10. Aveiro, 11. Azambuja, 12. Baião, 13. Boticas, 14. Bragança, 15. Cabeceiras de Basto, 16. Cantanhede, 17. Cartaxo, 18. Cascais, 19. Chaves, 20. Constância, 21. Coruche, 22. Covilhã, 23. Esposende, 23. Estarreja, 24. Figueira da Foz, 25.  Fundão, 26. Guarda, 27. Ílhavo, 28. Lamego, 29. Lisboa, 30. Loures, 31. Macedo de Cavaleiros, 32. Mangualde, 33. Mealhada, 34. Mêda, 35. Miranda do Corvo, 36. Mirandela, 37. Mogadouro, 38. Mondim de Basto, 39. Mora, 40. Murça, 41. Murtosa, 42. Nazaré, 43. Nisa, 44. Odivelas, 45. Oeiras, 46. Oleiros, 47. Oliveira de Frades, 48. Oliveira do Bairro, 49. Ourém, 50. Pampilhosa da Serra, 51. Penacova, 52. Penamacor, 53. Penela, 54. Pombal, 55. Ponte de Lima, 56. Proença-a-Nova, 57. Reguengos de Monsaraz, 58. Resende, 59. Sabrosa, 60. Sabugal, 61. Santa Marta de Penaguião, 62. São Pedro do Sul, 63. Sátão, 64. Seia, 65.  Seixal, 66. Setúbal, 67. Sever do Vouga, 68. Sines, 69. Sintra, 70. Tarouca, 71. Torre de Moncorvo, 72. Vagos, 73. Valpaços, 74. Vila Franca de Xira, 75. Vila Nova de Foz Côa, 76. Vila Nova de Paiva, 77. Vila Pouca de Aguiar,  78. Vila Real, 79. Vila Verde.

 

  • Concelhos de Risco Extremo:

1. Alcanena, 2. Alfândega da Fé, 3. Amarante, 4. Amares, 5. Arouca, 6. Barcelos, 7. Belmonte, 8. Braga, 9. Caminha, 10. Castelo de Paiva, 11. Celorico da Beira, 12. Celorico de Basto, 13. Cinfães, 14. Crato, 15. Espinho, 16. Fafe, 17. Felgueiras, 18. Figueira de Castelo Rodrigo, 19. Freixo de Espada à Cinta, 20. Gondomar, 21. Guimarães, 22. Lousada, 23. Maia, 24. Manteigas, 25. Marco de Canaveses, 26. Matosinhos, 27. Oliveira de Azeméis, 28. Ovar, 29. Paços de Ferreira, 30. Paredes, 31. Penafiel, 32. Portalegre, 33. Porto, 34. Póvoa de Lanhoso, 35. Póvoa de Varzim, 36. Santa Maria da Feira, 37. Santo Tirso, 38. São João da Madeira, 39. Trofa, 40. Vale de Cambra, 41. Valença, 42. Valongo, 43. Vieira do Minho, 44. Vila do Conde, 45. Vila Nova de Famalicão, 46. Vila Nova de Gaia, 47. Vizela.

 

Das medidas impostas, passamos a salientar:

 

  • Para todo o território continental:
    • Proibição de circulação entre concelhos nos seguintes períodos:

                                   - Entre as 23h00 de 27 de novembro e as 5h00 de 2 de dezembro;

                                   - Entre as 23h00 de 4 de dezembro e as 5h00 de 9 de dezembro;

    • Tolerância de Ponto e suspensão da atividade letiva e apelo à dispensa de trabalhadores do setor privado nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro;
    • Uso obrigatório de máscara nos locais de trabalho.

 

  • Para os concelhos do nível de risco “elevado”, além das medidas aplicadas a todo território continental:
    • Proibição de circulação na via pública entre as 23h00 e as 5h00;
    • Ação de fiscalização do cumprimento do teletrabalho obrigatório;
    • Manutenção dos horários dos estabelecimentos (22h00, salvo restaurantes e equipamentos culturais às 22:h30).

 

  • Para os concelhos dos níveis “muito elevado” e “extremo”, além das medidas aplicadas a todo o território nacional, aplicam-se também:
    • Proibição de circulação na via pública entre as 23h00 e as 5h00 nos dias de semana;
    • Proibição de circulação na via pública aos sábados e domingos entre as 13h00 e as 5h00;
    • Proibição de circulação na via pública nos dias 1 e 8 de dezembro entre as 13h00 e as 5h00;
    • Nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro, os estabelecimentos comerciais devem encerrar às 15h00;

 

Todas estas medidas aplicam-se suspendendo determinadas atividades e acautelando um conjunto de exceções, que inclui, nomeadamente, as deslocações a mercearias e supermercados e outros estabelecimentos de venda de produtos alimentares e de higiene, para pessoas e animais.

O novo estado de emergência iniciou-se às 00h00 do dia 24 de novembro e cessará às 23h59 do dia 8 de dezembro.

De acordo com informação disponibilizada no Portugal 2020, as candidaturas às medidas Apoiar.pt e Apoiar Restauração.pt ficarão disponíveis a partir do próximo dia 25 de novembro na plataforma Balcão 2020.

Deve registar a sua empresa ou organização no Balcão Portugal 2020, se pretender requerer o novo apoio dirigido às micro e pequenas empresas dos setores mais afetados pela pandemia COVID-19.

O Programa Apoiar. PT destina-se a microempresas e pequenas empresas dos setores do comércio, restauração e atividades culturais que tenham sofrido quebras de faturação superiores a 25% em termos homólogos.

Este programa pode-se enquadrar para o setor na panificação, pastelaria e similares, desde que as microempresas e pequenas empresas dos respetivos sectores tenham sofrido quebras de faturação superiores a 25% em termos homólogos.

Esta quebra de faturação tem de ser comprovada em termos de documentação contabilística da empresa.

As empresas que se candidatarem tem de ter uma situação tributária e contributiva regularizada perante administração fiscal e a segurança social.

 

 

1.º Passo - Para isso, as empresas que pretendam candidatar-se a estes apoios a fundo perdido necessitam de efetuar o seu registo no Balcão 2020.  Este registo requer apenas NIF e o código de acesso à Autoridade Tributária, devendo o beneficiário preencher um formulário simplificado.

No final do registo, conclui o primeiro passo para acesso ao formulário de candidatura, que estará online a partir de 25 de novembro.

 

2.º Passo – Apresente a sua candidatura a partir de 25 de novembro através do Balcão 2020.

O formulário de candidatura conterá já os dados de identificação comercial, bem como a informação fiscal e dados da Segurança Social, entre outros, poupando ao beneficiário o trabalho e tempo de recolha de documentos e de preenchimento.

 

Como efetuar o registo no Balcão 2020?

 

Durante o processo de registo de entidades beneficiárias, e após a acreditação pelo Acesso.gov.pt, é disponibilizado ao utilizador um ecrã com a informação do Número de Identificação Fiscal ( NIF) e a Denominação pré- preenchida e não editável.

Cabe ao utilizador definir o endereço de email para contacto e a sua senha de acesso. Após preenchimento adequado do código de confirmação é enviado um email para o endereço indicado com um link que permitirá a finalização do processo de registo ao Balcão 2020.

Além deste programa, será disponibilizada uma verba adicional especificamente direcionada para o setor da restauração, com o objetivo de compensar as perdas sofridas ao longo dos dois fins-de semana de recolher obrigatório imposto pelo Estado de Emergência em vigor.

Este apoio específico é acumulável com o programa Apoiar.pt.

Os primeiros pagamentos do Apoiar.pt deverão ser concretizados na primeira quinzena de dezembro.

Deverá solicitar o apoio do seu gabinete de contabilidade para formalização do pedido.

Consulte aqui o documento de ajuda Online para as entidades Beneficiárias, assim pode verificar os dados que são solicitados.

 

Neste contexto atual, e de acordo com as medidas impostas pelo Governo para os concelhos com risco elevado de transmissão da covid-19, foram determinadas para os próximos dois fins de semana novas medidas. Atenção que para este fim de semana só se aplicam tais medidas aos 114 concelhos de risco elevado (dos 121 são retirados 7 a partir das 00 horas de 13 de Novembro). Só no fim de semana de 21 e 22 são aplicadas as medidas também aos novos 77 concelhos que passam a fazer parte da lista de concelhos de elevado risco a partir das 00h00 de 16 de novembro.

 

Assim, nos próximos dois sábados e domingos, são suspensas as atividades em estabelecimentos de comércio a retalho e de prestação de serviço fora do período compreendido entre as 08:00 h e as 13:00 h. 

Estão fora desta obrigação de encerrar entre as 13:00 h e as 08:00 h, além de outros os seguintes estabelecimentos:

 

a) Os estabelecimentos de venda a retalho de produtos alimentares, bem como naturais ou dietéticos, de saúde e higiene, que disponham de uma área de venda ou prestação de serviços igual ou inferior a 200 metros quadrados com entrada autónoma e independente a partir da via pública.

Aqui incluem-se os estabelecimentos de venda de pão e outros produtos alimentares, pelo que não serão obrigados a encerrar às 13 horas.

 

b) Os estabelecimentos de restauração e similares, independentemente da área de venda ou prestação de serviços, desde que exclusivamente para efeitos de entregas ao domicílio.

Aqui incluem-se as pastelarias, casas de chá, entre outros, que a partir das 13 horas naqueles dias passam a poder fazer apenas entregas ao domicílio. 

 

 

De referir ainda que podem continuar a praticar o horário de abertura habitual os estabelecimentos cujo horário de abertura era já anterior às 08:00 h.

 

Dando seguimento à revisão quinzenal da lista dos concelhos com risco elevado, o Conselho de Ministros atualizou ontem o número de concelhos que dela fazem parte.

Assim, a partir das 0h00 de hoje, deixam de fazer parte da lista os seguintes concelhos:

·         Batalha

·         Mesão Frio

·         Moimenta da Beira

·         Pinhel

·         São João da Pesqueira

·         Tabuaço

·         Tondela

A partir das 0h00 do dia 16 de novembro, passam a fazer parte da lista mais 77 concelhos. Veja aqui a lista dos concelhos.

Os restantes 114 concelhos mantêm-se.

Estas novas medidas, quer do Estado de Calamidade quer do de Emergência, são prolongadas até às 24h do dia 23 de novembro, para estarem alinhadas pelo mesmo calendário as medidas do Estado de Calamidade que vigoram em todo o País com as medidas que vigoram nos concelhos sob Estado de Emergência.

Para conhecer as medidas específicas de cada concelho aceda aqui.

 

 

O estado de emergência teve início às 00h00 do dia 9 de novembro e terminará às 23h59 do dia 23 de novembro.

Atendendo à proibição de circulação na via pública diariamente no período compreendido entre as 23h00 e as 05h00, bem como aos sábados e aos domingos, no período compreendido entre as 13h00 e as 05h00, as padarias e pastelarias têm a sua atividade, nestes dias e horários, limitada à entrega ao domicílio.

 

Recordamos que esta restrição apenas se aplica aos 121 concelhos com risco elevado de transmissão da COVID- 19 e que os estabelecimentos estão dispensados de licença para confeção destinada a consumo fora do estabelecimento ou entrega no domicílio.

 

Alertamos que na próxima 5.ª feira dia 12/11/2020 será revista à lista dos concelhos de risco elevado de transmissão COVID- 19.

Pode consultar aqui medidas específicas de cada concelho.

Estão abertas as inscrições para a edição 2021 do “Prémio Cinco Estrelas Regiões”, um sistema de avaliação que mede o grau de satisfação que produtos, serviços e marcas de origem portuguesa conferem aos seus utilizadores, tendo como critérios de avaliação as 5 principais variáveis que influenciam a decisão de compra dos consumidores.

Neste ano tão atípico, e com tantas incertezas, de uma coisa estamos certos: aguardar que passe não é solução. Temos que desenvolver soluções para ajudar o mercado a recuperar. Assim e, apesar do ano conturbado, atualmente os vencedores da edição 2020 do Prémio Cinco Estrelas Regiões estão em franco processo de comunicação para fazer chegar à população portuguesa o conjunto restrito de marcas e ícones regionais que foram distinguidos como sendo extraordinários nas suas regiões, realmente “Cinco estrelas”.

Contudo, este ano as palavras “Segurança” e “Confiança” ganharam muito mais importância, tornando-se uma prioridade. Para isso foi criada a certificação Five Stars | Safe Spot, que, para além da avaliação da experiência de consumo através da metodologia Cinco Estrelas, atesta também a segurança dos espaços ao nível da higiene sanitária https://cinco-estrelas.pt/five-stars-safe-spot/.

Apresentando a candidatura ao Prémio Cinco Estrelas Regiões 2021, as marcas têm automaticamente garantida parte do processo para a classificação do espaço como um Safe Spot, tendo apenas de cumprir também os requisitos sanitários a definir em função das características de cada espaço.

Trata-se, portanto, da possibilidade de uma dupla certificação!

Para apresentar a sua candidatura, basta aceder à plataforma oficial em: r. cinco-estrelas.pt.

A informação detalhada sobre os atuais vencedores (2020) poderá ser consultada no site https://r.cinco-estrelas.pt/vencedores-2020/

O ramo da panificação está entre os mais impactados pela crise ocasionada pelo novo coronavírus.

Isso porque, apesar de ser considerada uma atividade essencial no fornecimento de alimentos, parte da população reduziu a frequência de ida a esse negócio típico de bairro.

Está também a existir mais tentativas de fraude junto dos profissionais da panificação.

A ACIP alerta para procederem sempre com máxima precaução junto dos vossos fornecedores;

 

  1. Efetuarem pagamento aos fornecedores preferencialmente por cheque ou transferência bancária, para desta forma terem prova do pagamento e não ser solicitado em duplicado.
  2. Sempre que existam pagamentos em dinheiro, solicitar de imediato o respetivo recibo de pagamento, e desta forma evitar que seja indicado no futuro que aquela fatura está em atraso.
  3. Conferir sempre se a mercadoria recebida corresponde à mercadoria faturada.

 

Falta de precaução neste âmbito, tem levado alguns industriais da panificação a situações complicadas, como processos judiciais de penhoras de bens.

Qualquer questão, não hesite em contactar a ACIP.

 A ACIP fornece apoio e permite que o associado participe direta e ativamente na preparação de um futuro mais estável, criando um melhor associativismo.

No próximo dia 12 de Novembro será debatido o “O Futuro da Panificação Portuguesa”, num seminário de âmbito nacional, que pretende ser um momento de análise e reflexão sobre a situação atual e futura do sector global da panificação em Portugal.
A extensão dos apoios do Plano de Recuperação Económica do País ao sector do pão tradicional; a reconversão tecnológica; a análise das dificuldades e insuficiências ao nível da gestão e das li-mitações à rentabilidade do sector, impostas pela legislação atual, serão os temas centrais deste evento.
A organização do Seminário está a cargo da AIP – Associação Industrial Portuguesa e da AIPL – Associação dos Industriais da Panificação, Pastelaria e Similares de Lisboa, e conta com os apoios da ACIP - Associação do Comércio e da Indústria de Panificação, Pastelaria e Similares e da AIPAN - Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares do Norte.
O evento irá realizar-se nas instalações da AIP, em Lisboa, num modelo presencial e com transmissão online. Terá início às 14h30 e encerramento previsto às 17h30. A participação é gratuita, mas sujeita a inscrição prévia. Para mais informações consulte o site www.aip.pt ou contacte Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

O Clube Richemont Portugal vai promover o Curso de Técnicas Avançadas em Panificação, com uma duração de 5 dias, e organizado pela Academia Diverespaço, entidade de formação profissional certificada pela DGERT.
Vai ser ministrado pelos formadores da escola Richemont Fachschule, Daniel Kuhne e Carlos Mariel. Com base na aplicação de metodologias de aprendizagem com forte componente prática, permitirá aos formandos aprofundar e adquirir novas competências no domínio da utilização de processos de elaboração de produtos de panificação com recurso à utilização de massa mãe de cultivo e dotá-los de conhecimentos que lhes permitam implementar este know-how no trabalho diário.


Esta formação permite ainda, o desenvolvimento de competências no domínio das matérias primas, por exemplo ao nível da correta utilização de fa-rinhas de distintos cereais, no controlo de processos de produção artesanal de produtos, na análise de pontos de controlo críticos, na aplicação de diferentes métodos de elaboração de massas, na importância das longas fermentações na melhoria das caraterísticas dos pães, na implementação de diferentes técnicas de frio na produção diária, na aplicação de técnica de dupla cozedura, bem como, no conhecimento da rentabilidade e das vantagens da utilização da Massa Mãe de Cultivo.

É sem dúvida uma oportunidade para todos aqueles que, através de uma qualificação de excelência e partilha de experiências, queiram acrescentar valor à sua atividade profissional e ao seu negócio, preser-vando a sua qualidade de vida. O curso vai ter lugar nos dias 16 a 20 de novembro. Para mais informações contacte a Diverespaço através dos contactos: 224 673 70 / 931 620 799.

O Governo decidiu renovar o Estado de Calamidade em todo o território nacional até às 23h59 do dia 15 de novembro de 2020 e alargar a outros concelhos medidas especiais, face à situação epidemiológica que se verifica em Portugal.

Assim, para os concelhos abrangidos pelas novas medidas, o Conselho de Ministros determinou:

 

  • o dever de permanência no domicílio, devendo os cidadãos abster-se de circular em espaços e vias públicas, bem como em espaços e vias privadas equiparadas a vias públicas, exceto para o conjunto de deslocações já previamente autorizadas, às quais se juntam as deslocações para atividades realizadas em centros de dia, para visitar utentes em estruturas residenciais para idosos, unidades de cuidados continuados integrados da Rede Nacional de Cuidados Integrados ou outras respostas dedicadas a pessoas idosas, bem como as deslocações a estações e postos de correio, agências bancárias e agências de corretores de seguros ou seguradoras e as deslocações necessárias para saída de território nacional continental;
  • como regra, que todos os estabelecimentos de comércio a retalho e de prestação de serviços, bem como os que se encontrem em conjuntos comerciais, encerram até às 22h00;
  • o encerramento dos restaurantes até às 22h30;
  • prever-se que o presidente da câmara municipal territorialmente competente possa fixar um horário de encerramento inferior ao limite máximo estabelecido, mediante parecer favorável da autoridade local de saúde e das forças de segurança;
  • a proibição da realização de celebrações e de outros eventos com mais de cinco pessoas, salvo se pertencerem ao mesmo agregado familiar; 
  • a proibição da realização de feiras e mercados de levante;
  • a possibilidade de realização de cerimónias religiosas, de acordo com as regras da Direção Geral da Saúde;
  • a obrigatoriedade de adoção do regime de teletrabalho, independentemente do vínculo laboral, sempre que as funções em causa o permitam, salvo impedimento do trabalhador;
  • o regime excecional e transitório de reorganização do trabalho (constante do DL 79-A/2020) é aplicável às empresas com locais de trabalho com 50 ou mais trabalhadores, em todos os concelhos abrangidos pelas novas medidas (atualmente este regime era aplicável às áreas metropolitanas de Lisboa e Porto).

Estas medidas excecionais entram em vigor no dia 4 de novembro, próxima quarta-feira, e vão aplicar-se a um total de 121 concelhos.

Conheça as medidas específicas aplicáveis ao seu concelho aqui.

 

  

Além das medidas excecionais acimas descritas, limita-se para 6 o número de pessoas em cada grupo em restaurantes para todo o território continental, salvo se pertencerem ao mesmo agregado familiar.

 

Os concelhos com risco elevado de transmissão da Covid-19, aos quais se vão aplicar as novas medidas de combate à pandemia são os seguintes:

  • Alcácer do Sal, 
  • Alcochete,
  • Alenquer, 
  • Alfândega da Fé,
  • Alijó, 
  • Almada, 
  • Amadora, 
  • Amarante, 
  • Amares, 
  • Arouca, 
  • Arruda dos Vinhos, 
  • Aveiro, 
  • Azambuja, 
  • Baião, 
  • Barcelos, 
  • Barreiro, 
  • Batalha, 
  • Beja, 
  • Belmonte, 
  • Benavente, 
  • Borba, 
  • Braga, 
  • Bragança, 
  • Cabeceiras de Basto, 
  • Cadaval, 
  • Caminha, 
  • Cartaxo, 
  • Cascais, 
  • Castelo Branco, 
  • Castelo de Paiva, 
  • Celorico de Basto, 
  • Chamusca, 
  • Chaves,
  • Cinfães, 
  • Constância, 
  • Covilhã, 
  • Espinho, 
  • Esposende, 
  • Estremoz, 
  • Fafe, 
  • Figueira da Foz, 
  • Fornos de Algodres, 
  • Fundão, 
  • Gondomar, 
  • Guarda, 
  • Guimarães, 
  • Idanha-a-Nova, 
  • Lisboa, 
  • Loures, 
  • Macedo de Cavaleiros, 
  • Mafra, 
  • Maia, 
  • Marco de Canaveses, 
  • Matosinhos, 
  • Mesão Frio,
  • Mogadouro, 
  • Moimenta da Beira, 
  • Moita, 
  • Mondim de Basto, 
  • Montijo, 
  • Murça, 
  • Odivelas, 
  • Oeiras, 
  • Oliveira de Azeméis, 
  • Oliveira de Frades, 
  • Ovar, 
  • Palmela, 
  • Paredes de Coura, 
  • Paredes,
  • Penacova, 
  • Penafiel, 
  • Peso da Régua, 
  • Pinhel, 
  • Ponte de Lima, 
  • Porto, 
  • Póvoa de Varzim, 
  • Póvoa do Lanhoso, 
  • Redondo, 
  • Ribeira da Pena, 
  • Rio Maior,
  • Sabrosa,
  • Santa Comba Dão, 
  • Santa Maria da Feira, 
  • Santa Marta de Penaguião, 
  • Santarém, 
  • Santo Tirso, 
  • São Brás de Alportel,
  • São João da Madeira, 
  • São João da Pesqueira, 
  • Sardoal, 
  • Seixal, 
  • Sesimbra, 
  • Setúbal, 
  • Sever do Vouga, 
  • Sines, 
  • Sintra, 
  • Sobral de Monte Agraço,
  • Tabuaço, 
  • Tondela, 
  • Trancoso, 
  • Trofa, 
  • Vale da Cambra, 
  • Valença, 
  • Valongo, 
  • Viana do Alentejo,
  • Viana do Castelo, 
  • Vila do Conde, 
  • Vila Flor, 
  • Vila Franca de Xira, 
  • Vila Nova de Cerveira, 
  • Vila Nova de Famalicão, 
  • Vila Nova de Gaia, 
  • Vila Pouca de Aguiar, 
  • Vila Real, 
  • Vila Velha de Ródão, 
  • Vila Verde, 
  • Vila Viçosa, 
  • Vizela.

 

Tendo em vista a atual situação que enfrentamos por conta da pandemia COVID-19 e consequentes medidas de precaução que vêm sendo impostas no nosso país, a ACIP lamenta anunciar que este ano não vai realizar o já habitual Concurso ACIP – “O Melhor Bolo-Rei de Portugal.”

Atendendo à gravidade do momento por que passa o nosso país, e atendendo ao facto de o registo de novos infetados por Coronavírus estar diariamente a aumentar, segundo os dados oficiais da Direção Geral de Saúde, não restava outra alternativa que não fosse adiar para o próximo ano a realização deste concurso.

Esta medida surge devido às consequências originadas pelo novo Coronavírus que não permitirá realizar toda a preparação logística e operacional relativa a este evento de referência a nível nacional e também ao facto de não estarem garantidas as condições de segurança para que o mesmo decorra com normalidade.

A ACIP lamenta profundamente esta medida, mas, para a direção, as pessoas e a defesa da sua saúde estão em primeiro lugar. Os eventos são importantes sob vários aspetos, desde logo para a dinamização do nosso sector, mas a prioridade da direção da ACIP, agora e no futuro próximo, é ajudar a reerguer o sector da Panificação e da Pastelaria.

Recorde-se que o Concurso ACIP – “O Melhor Bolo-Rei de Portugal” tem como objetivo principal premiar, promover, valorizar e divulgar o Bolo-Rei Português.

A ACIP aproveita para agradecer a contribuição e apoio de todas as empresas parceiras que nos ajudaram para que o Concurso ACIP – “O Melhor Bolo-Rei de Portugal” fosse uma realidade, sendo certo que em 2021 estaremos em melhores condições para realizar mais uma edição deste grande evento nacional.

Agradecemos a compreensão de todos.

 

A Direção da ACIP

Pág. 1 de 28

SER ASSOCIADO
Conheça as condições e todas as vantagens para se tornar nosso associado e colaborador. +info »

A PADARIA PORTUGUESA
A nossa revista, sempre útil com informações actualizadas na área. +info »

FALE CONNOSCO

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
  239 833 099
 Rua de Tomar, 11
    Apartado 1050
    3001-501 Coimbra